Chuva deixa rastro de lama e destruição em Conceição de Macabu

Inundação na rua Maria Adelaide. Foto: Aldir Junior/Olhar Sobre Macabu
Na noite deste domingo (08) a chuva voltou a castigar Conceição de Macabu. Segundo a Defesa Civil o índice pluviométrico foi de 59mm na cidade, o esperado para todo o mês de janeiro. Vários pontos de alagamentos se formaram nos bairros Vila Nova, Centro, Porto, Bocaina e mais outros cinco.

Em boa parte da rua Maria Adelaide, no bairro Vila Nova, a água formou uma corredeira sobre a calçada e no entroncamento com a rua Melquides Picanço inundou a segunda principal via pública da cidade por inteiro. A força da água foi tamanha que se deslocou em direção a Melquides Picanço formando uma nova correnteza em frente a Escola Estadual Maria Lobo Viana.

Bueiro entupido na r. Maria Adelaide. Foto: Aldir Junior/OSM
Sem auxilio de mais ninguém e com uma simples vassoura em mãos, Carlos Sydnei, conhecido como "Pitico", tentou e conseguiu desobstruir os bueiros das ruas alagadas entupidos com folhas e galhos de árvores trazidos pela enxurrada. 

O problema foi agravado depois do asfaltamento da rua Maria Adelaide. Quando chove a água escoadas pelo meio fio se encontram com as águas provenientes do Morro do Bosque em direção ao bueiro mais próximo, porém, com o aumento do nível da rua com a pavimentação acaba por se fazer uma verdadeira corredeira sobre a calçada.

"Já fui falar lá na Prefeitura, mas eles não fazem nada. Sempre quando acontece isso [alagamento] eu venho fazer isso aqui", disse indignado Pitico.

Trânsito em meia pista na RJ 196. Foto: Aldir Junior/OSM
Na RJ 196, que liga Conceição de Macabu ao distrito de Macabuzinho, durante a precipitação foram registrados pontos de alagamentos. Para piorar a situação o mato alto no acostamento dificultava o escoamento. Ainda na rodovia algumas barreiras com árvores caíram fechando por completo a passagem. Nesta segunda-feira o trânsito estava em meia pista nos locais atingidos e com muita lama. Em alguns lugares a força da água foi tanta que arrancou o asfalto.

Já na entrada da cidade, na RJ 182, várias barreiras caíram sobre a pista no sentido BR 101 e obrigaram a Defesa Civil interditar o local para limpeza. A pista a esquerda do canteiro passou a servir como mão e contra-mão. Ainda há risco de novos deslizamentos no local.

Quedas de barreira na RJ 182. Foto: Aldir Junior/Olhar Sobre Macabu
O bairro Porto foi um dos mais atingidos. Além dos deslizamentos de terra a localidade sofreu com inundações. Na rua Projetada, ao lado do antigo Parque de Exposições, o córrego que corta o local transbordou e invadiu as casas em sua margem.

Dona Lucinéia mostra a altura que a água chegou. Foto: Aldir Junior/OSM
Dona Lucinéia mora ao lado do córrego em um loteamento com duas casas de familiares atrás da sua. Ao todo são oito pessoas mais as crianças e a perda foi total. Ela, Paulo Cesar, Antônio Carlos, Marina e Edilmar contaram que após a obra de calçamento da rua foi prometido pela Prefeitura o manilhamento do córrego para solucionar o problema.

"A prefeita veio e fez uma reunião aqui no quintal de casa prometendo que a obra estaria pronta até agora o final de janeiro. O secretário [de obras] disse que já estava com a verba liberada, só faltava fazer e até agora nada", comentaram.

"Eu tenho medo de ficar aqui, quero me mudar. Estava fazendo a casa aos poucos, mas não dá mais [...] A água estava no meu pescoço, se não fosse meu irmão para me ajudar poderia acontecer algo pior", disse Lucinéia.

Funcionárias limpam loja. Foto: Aldir Junior/OSM
Ainda no bairro Porto funcionários de uma loja de móveis passaram o dia limpando o local, tentando recuperar algumas mercadorias e contando os prejuízos. No comercio localizado na rua Coronel Castro, Marcela, que ajudava na limpeza, contou que uma barreira com muita água caiu nos fundos do estabelecimento.

"Esta foi a primeira vez que acontece isso aqui, quando a loja funcionava ao lado uma vez caiu uma barreira de três caminhões de terra", disse Marcela.

No bairro Bocaina o vilão foi mais uma vez o córrego que passa por um dos mais populosos bairros da cidade. O curso hídrico transbordou, passou sobre pontes, inundou ruas e invadiu casas. O que se via nas ruas do bairro era o rastro de lama e a marca na casa dos moradores ribeirinhos. Um comerciante irritado pelas perdas não quis sequer falar conosco.

Rastro de lixo deixado dá noção da altura que o córrego chegou. Foto: Aldir Junior/OSM
Em frente a Câmara Municipal a rua se encheu de lama e uma máquina escavadeira passou o dia limpado a via.

Após uma reunião com o executivo municipal e coordenadores da Defesa Civil ficou decidido que a cidade sai do estado de alerta para emergência. Cerca de 100 desalojados estão em casas de parentes e um ônibus está a disposição da Defesa Civil para o caso de novos desalojados quiserem ir para abrigos públicos. 

Em caso de emergência ligue para a Defesa Civil no número 199.

Reportagem e fotos: Aldir Junior de Sales Gomes

Posted by Aldir Junior de Sales Gomes on 1/09/2012 10:14:00 PM. Filed under , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0
 

Inscreva-se em nossa newsletter

2010 BlogNews Magazine. All Rights Reserved. - Designed by SimplexDesign