Carangola transborda e deixa cerca de 17 mil desalojados ou desabrigados em Santo Antônio de Pádua

Bairro da Caixa D'Água em Santo Antônio de Pádua alagado. Foto: Divulgação/Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Pádua.
A cheia do rio Pomba, em Santo Antônio de Pádua, no noroeste fluminense, deixou vários moradores ilhados. No Centro as ruas estão totalmente alagadas e intransitáveis, o hospital municipal Hélio Montesano teve suas atividades paralisadas e os pacientes internados no CTI foram transferidos para a cidade vizinha de Miracema, enquanto os menos graves foram deslocados para locais improvisados como escolas públicas. Apenas um dos 18 bairros da cidade não foi afetado pela enchente.

José Renato Fonseca Padilha, prefeito de Pádua, declarou estado de emergência. A sede do executivo municipal também foi invadida pelas águas, forçando o prefeito e os secretários a montar uma base na parte alta da cidade.

LEIA TAMBÉM:
Já há o registro de pelo menos 12 mil pessoas desalojadas e 5 mil desabrigadas no município de 40 mil habitantes. O chefe do executivo ainda informou que irá dar início ao trabalho de distribuição de alimentos por barcos para a população.

Cerca de quatro mil trabalhadores de quatro fábricas de papel e 10 mil empregados da indústria de pedras e revestimentos não puderam trabalhar. Bancos e comércios também estiveram fechados.

"Tem que ser feita uma obra no rio Pomba. Ele está totalmente assoreado. Em 2008, houve enchente aqui e nada foi feito", afirma o prefeito. Ainda segundo Padilha nas últimas 15 horas não chove em Pádua e o rio começa a abaixar seu nível.

  • Acompanhe a nossa cobertura completa sobre as enchentes no norte e noroeste fluminense clicando aqui

Fonte: Veja, com informações de O Dia

Posted by Aldir Junior de Sales Gomes on 1/03/2012 06:48:00 PM. Filed under , , , , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0
 

Inscreva-se em nossa newsletter

2010 BlogNews Magazine. All Rights Reserved. - Designed by SimplexDesign